Fundo/Coleção FT - Anamaria Machado Guimarães

Área de identificação

Código de referência

BR RJANRIO FT

Título

Anamaria Machado Guimarães

Data(s)

  • 1973 - 1979 (Produção)

Nível de descrição

Fundo/Coleção

Dimensão e suporte

Iconográfico(s) -adesivo(s) - 1 item(ns)
Iconográfico(s) -cartaz(es) - 1 item(ns)
Textual(is) -sem especificação - 0,05 m

Área de contextualização

Nome do produtor

Biografia

Ana Maria Machado nasceu em Santa Tereza, Rio de Janeiro, no dia 24 de dezembro de 1941. Foi professora, jornalista, fez programas de rádio, foi dona de livraria, mas em meio a tudo isso nunca parou de escrever. Ana começou a carreira como pintora. Estava no científico (atual ensino médio) quando começou a estudar pintura, primeiro na Escolinha de Arte do Brasil, depois no Atelier Livre do Museu de Arte Moderna, onde teve aulas com Aloísio Carvão. À hora de fazer vestibular, Ana, na dúvida entre química e arquitetura, optou por geografia, mas, um no depois, desistiu desse curso e foi estudar letras. Formou-se em Letras Neolatinas, em 1964, na então Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, e fez estudos de pós-graduação na UFRJ. Deu aulas na Faculdade de Letras na UFRJ (Literatura Brasileira e Teoria Literária) e na Escola de Comunicação da UFRJ, bem como na PUC-Rio (Literatura Brasileira). Além de ensinar nos colégios Santo Inácio e Princesa Isabel, no Rio, e no Curso Alfa de preparação para o Instituto Rio Branco, também lecionou em Paris, na Sorbonne (Língua Portuguesa) e na Universidade de Berkeley, Califórnia – onde já havia sido escritora residente.Após se formar, casou com o médico Álvaro Machado, e mudou de cidade, indo para São Paulo. Começou a escrever artigos para a revista Realidade e a Enciclopédia Bloch, além de traduzir textos e continuar pintando. Nesse período nasceu seu primeiro filho, Rodrigo. Foi nessa época que a Editora Abril convidou-a para escrever em uma nova revista voltada para crianças, que se chamaria Recreio. Nesse período, já tinha começado a ditadura, e Ana resistia, participando de reuniões e manifestações. No ano de 1969, com a vigência do Ato Institucional Nº 5, que fechou o Congresso, instituiu a censura e consolidou a tortura, Ana foi presa, tive colegas, amigos e alunos detidos. Quando o ano acabou, Ana partiu para o exílio, período este que aborda em seu romance “Tropical Sol da Liberdade”. Ana foi para Paris em janeiro de 1970, onde trabalhei como jornalista na revista Elle e como professora na Sorbonne. Também trabalhou numa biblioteca, cuidando do setor sobre a América Latina, fez dublagens de documentários e participou de exposições de pintura. Em Paris, Ana estudou na École Pratique des Hautes Études, onde escreveu sua tese de doutorado sob a orientação do sociólogo Roland Barthes. Sua tese de doutorado, que acabou virando livro – “O Recado do Nome” –, versa sobre a obra de Guimarães Rosa. Nesse período, em abril de 1971, nasceu Pedro, seu segundo filho. Depois, quando surgiu uma oportunidade, Ana foi para Londres, onde trabalhou na BBC, permanecendo aí por um ano e meio. Ana retornou ao Brasil no final de 1972, indo trabalhar na imprensa. Como jornalista, trabalhou no Correio da Manhã, no Jornal do Brasil, no O Globo, e colaborou com as revistas Realidade, IstoÉ e Veja e com os semanários O Pasquim, Opinião e Movimento. De repórter passou a chefe do departamento de jornalismo da Rádio JB, onde ficou durante sete anos. No ano de 1976, as histórias antes publicadas em revistas passaram a sair em livros. Em 1978, Ana participou de um concurso, sob pseudônimo, e ganhou o prêmio João de Barro, com “História Meio ao Contrário”, que depois também ganhou o prêmio Jaboti. Além da publicação do livro, essa premiação desencadeou uma série de convites de editores para publicar mais textos seus, o que a levou a se dedicar cada vez mais a escrever. Dois anos depois, em 1980, ela abriu, junto com duas sócias, a Livraria Malasartes, voltada à literatura infantil, onde ficou por dezoito anos. Nesse mesmo ano, diante de uma ordem da Rádio JB para demitir um terço da redação, optou por sua própria demissão, e, abandonando o jornalismo, Ana se dedicou à escrita de livros adultos e infantis. Também nessa época, inicia seu segundo casamento, com o músico Lourenço Baeta.No ano de 1993, Ana se tornou hors-concours dos prêmios da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), e no ano 2000 ganhou o prêmio Hans Christian Andersen, considerado o prêmio Nobel da literatura infantil mundial. Em 2001, a Academia Brasileira de Letras lhe deu o maior prêmio literário nacional, o Machado de Assis, pelo conjunto da obra. Ana também recebeu o Prêmio Casa de las Américas, em Cuba, com o livro infantil “De Olho nas Penas”.Em 1983, nasceu sua filha Luísa. Neste mesmo ano, Ana publicou seu primeiro romance para adultos, “Alice e Ulisses”, e seus foram começando a ser traduzidos no exterior, primeiro nos países escandinavos e, em seguida, na Alemanha, na França e na Espanha. Paralelamente, Ana passou a fazer palestras para professores pelo interior do Brasil, desenvolvendo cursos e seminários sobre promoção de leitura no exterior.No final do ano de 1989, Ana recebeu um convite para um novo contrato com a BBC e voltou para Londres, onde ficou oito mesesEm 2003, Ana foi eleita para ocupar a cadeira número 1 da Academia Brasileira de Letras, substituindo o Dr. Evandro Lins e Silva. Pela primeira vez, um autor com uma obra significativa para o público infantil havia sido escolhido para a Academia. A posse aconteceu no dia 29 de agosto de 2003, quando Ana foi recebida pelo acadêmico Tarcísio Padilha e fez uma afetuosa homenagem ao seu antecessor.

Entidade custodiadora

História arquivística

Procedência

Guimarães, Anamaria Machado - 0 - 0 - Doação: Termo de entrega de documentos n. 1/2009, assinado em 6 de abril (processo 00320.000136/2009).

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Documentos relacionados ao movimento pela anistia ampla, geral e irrestrita promovido na década de 1970, com a participação de várias entidades da sociedade civil como Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul, Comitê Brasileiro pela Anistia (várias seções), Movimento Feminino pela Anistia, Ordem dos Advogados, incluindo cartas abertas e manifestos, boletins informativos, estatutos, relatórios, recortes de jornal, regulamentos e resoluções de reuniões, de encontros e de congressos pela anistia, além de adesivo e cartaz adotados pelo referido movimento. Inclui certidão de absolvição da titular expedida pela 1a Circunscrição Judiciária Militar da 2a Auditoria do Exército.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Identificado

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

  • português do Brasil

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Unidade Custodiadora
Coordenação de Documentos Escritos - CODES

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

BR RJANRIO

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados