Fundo/Coleção ABI - Associação Brasileira de Imprensa

Área de identificação

Código de referência

BR RJABI ABI

Título

Associação Brasileira de Imprensa

Data(s)

  • 1918 - 2008 (Produção)

Nível de descrição

Fundo/Coleção

Dimensão e suporte

Documentação Textual: 3,10 metros.
Fotografias: 150 unidades
Fitas áudio-magnéticas: 50 unidades

Área de contextualização

Nome do produtor

Biografia

A Associação Brasileira de Imprensa foi criada em 7 de abril de 1908, por idealização de Gustavo de Lacerda, inicialmente com o nome de Associação de Imprensa dos Estados Unidos do Brasil. Tinha como principais objetivos assegurar à classe jornalística benefícios assistenciais e tornar-se um centro poderoso de ação. Sua primeira sede, provisória, constituía-se em uma pequena sala na sobreloja do prédio onde funcionava a Caixa Beneficente dos Empregados de O Paiz. Aí ocorre a reunião onde Gustavo de Lacerda, Mário Galvão e Amorim Junior são incumbidos de elaborar seu primeiro projeto de estatuto. No documento utilizado quando de seu registro no 1º Ofício de Títulos e Documentos do Rio de janeiro destaca-se como seus fins o de criar e manter uma caixa de pensões e auxílios para socorrer os associados e suas famílias e um serviço de assistência médica e judiciária e criar o Retiro da Imprensa para jornalistas incapacitados por idade ou doença. Embora, num primeiro momento, tenha sido combatida e sofrido esforços para a desacreditar, logo a filiação a entidade aumenta fazendo com que aumentasse também seu prestígio, uma vez que dentre os novos sócios encontravam-se o chefe da Polícia, o comandante da Polícia Militar, o prefeito, o comandante do Corpo de Bombeiros e até o ministro da Guerra. Ao longo de suas duas primeiras décadas, a Instituição acomoda-se em prédios alugados, e chegou mesmo a hospedar-se no Quartel dos Barbonos, situado na Rua Evaristo da Veiga, no Centro do Rio, e que sedia atualmente o Comando-Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, em período em que não possuía condições financeiras para pagar aluguel. Somente na década de 1930, quando liderada por Herbert Moses, é que se concretiza sua sede própria, que figura ainda como um marco da arquitetura nacional. Funcionava como um sindicato, defendendo os interesses dos profissionais, unindo os jornalistas e verificando as reivindicações da classe. Além disso, ajudava as empresas de comunicação fazendo a mediação com o governo. Com a criação dos sindicatos de jornalistas, perdeu o status de representante de classe. Passou então a dedicar-se à promoção de debates de interesse dos jornalistas, à participação em campanhas de interesse nacional e à produção artística. Ao longo dos anos a ABI alcançou cada vez mais importância na vida nacional, como um espaço de debate e reivindicação. Dentre os principais momentos de defesa dos interesses nacionais encontram-se desde a campanha “O Petróleo é Nosso”, cujas reuniões patrióticas que antecederam a Lei nº 2004, de 3 de outubro de 1953, que instituiu a Petrobras, foram realizadas em sua sede, até o impeachment do Presidente Fernando Collor, em 1992, cujo autor do pedido da abertura do processo e primeiro orador inscrito para defender tal ação foi Barbosa Lima Sobrinho, que esteve à frente da entidade nos períodos de 1926 a 1929 e 1978 a 2000. A entidade destacou-se ainda pela luta contra a ditadura militar, pela defesa de jornalistas e pelo fim da censura, tendo enfrentado um atentado a bomba que destruiu parcialmente o 7º andar de seu edifício.

Entidade custodiadora

História arquivística

O Arquivo foi aumentado com a criação, na década de 1970, do Centro de Memória do Jornalismo Brasileiro, que colecionou documentos até sua extinção. Hoje, esta documentação está sob custódia da Biblioteca Bastos Tigre, mantida pela entidade.

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Livros de atas da Diretoria (1918-2004); livros do conselho Administrativo (1926-1997); livros de presença às reuniões da Diretoria e do Conselho; Boletim da ABI (1952-2008); biografias de escritores e jornalistas; documentos do Cineclub Macunaíma, que exibia filmes significativos da produção cinematográfica nacional e estrangeira, recortes de jornais, manuscritos e artigos sobre censura e anistia; convites e propagandas de eventos; recortes de jornais sobre programas de televisão; reportagens “de” e “sobre” jornalistas, escritores, diretores, fotógrafos, atores e atrizes; reportagens sobre filmes; recortes de jornais sobre importantes questões políticas brasileiras.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Identificado

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Necessidade de autorização

Idioma do material

  • português do Brasil

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

BR RJABI

Regras ou convenções utilizadas

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (Brasil). NOBRADE: Norma brasileira de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006. 124 p.

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados