Fundo/Coleção K3 - Mapa Filmes Limitada

Área de identificação

Código de referência

BR RJANRIO K3

Título

Mapa Filmes Limitada

Data(s)

  • [1975?-2000?] (Produção)

Nível de descrição

Fundo/Coleção

Dimensão e suporte

Textual(is) -sem especificação - 47 item(ns)

Área de contextualização

Nome do produtor

(1965 -)

História administrativa

Fundada em 1965 por Zelito Viana, Glauber Rocha, Walter Lima Jr., Paulo Cezar Saraceni e Raymundo Wanderley Reis, a Mapa Filmes do Brasil inicia sua história com a finalização do longa-metragem Menino de engenho, de Walter Lima Jr.

O primeiro filme foi A grande cidade, dirigido por Cacá Diegues, com produção de Zelito Viana e a partir daí tornou-se uma das principais produtoras do Cinema Novo.

Entre os longa-metragens produzidos, destacam-se: Terra em transe e Dragão da maldade contra o santo guerreiro, de Glauber Rocha, Na boca da noite, de Walter Lima Jr., Quando o carnaval chegar, de Cacá Diegues, O segredo da múmia, de Ivan Cardoso, O homem que comprou o mundo e Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho, Os condenados, Morte e vida severina, Terra dos indios, Avaeté, Villa-Lobos, uma vida de paixão, de Zelito Viana, O gerente, de Paulo Cesar Saraceni e Batuque dos astros, de Júlio Bressane entre outros.

Entre as produções de curta-metragem, destacam-se: Oitava Bienal de SP (1965), de Carlos Diegues, Maranhão 66 (1966), de Glauber Rocha; Rodovia Belém-Brasília (1972), Choque cultural (1977 – entrevista com Celso Furtado), Terra molhada (1994), de Zelito Viana; SOS Brunet (1988), Por dúvida das vias (1989), Feliz aniversário, Urbana (1996), de Betse de Paula.
Trabalhos para TV e vídeo incluem: Imagens da história, série de programas educativos com textos de Eduardo Coutinho para a Rede Brasil e Canal Brasil (2002); O canto e a fúria, especial para home vídeo sobre o poeta Ferreira Gullar e sua poesia; o documentário Canção brasileira, sobre a cantora Sueli Costa; programa para o IBGE O país é este, análise dos resultados do Censo 2000. Na série Arte para todos, cinco colecionadores contam a história das artes plásticas no Brasil, do período barroco ao contemporâneo; Caminho Niemeyer, programa comentado pelo Oscar Niemeyer e Ferreira Gullar; Augusto Boal e o Teatro do Oprimido, de 2016; o média metragem A arte existe porque a vida não basta, homenagem ao poeta Ferreira Gullar; a série Manual de sobrevivência para o século XXI, com direção de João Amorin para o Cinebrasil TV.

Participações em festivais
Muitos dos filmes da Mapa Filmes representaram o país em importantes festivais e foram premiados, como O dragão da maldade contra o santo guerreiro (1969), de Glauber Rocha, vencedor do Prêmio de Direção no Festival de Cannes. Em recente eleição da revista VEJA, dos dez maiores filmes brasileiros de todos os tempos, a Mapa é responsável por dois: Terra em transe, de Glauber Rocha e Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho.

Em 2015, a Mapa Filmes completou 50 anos. Ao longo das décadas, produziu, além de filmes para cinema (longas e curta-metragem), comerciais, especiais para a TV aberta e mais recentemente, programas para canais por assinatura. Foram mais de duas dezenas de filmes em parceira com alguns dos maiores diretores de cinema no Brasil, como Cacá Diegues, Walter Lima Jr., Paulo Cesar Saracenni, Roberto Pires, Julio Bressane, Carlos Alberto Prates Correia, Arnaldo Jabor, Paulo Alberto Monteiro de Barros, Betse de Paula, Joaquim Pedro de Andrade, David Neves, José Jofily e Daniel Filho.

Em 2018, a Mapa Filmes iniciou seu Núcleo de Digitalização e Restauro, coordenado por Aarão Marins, executivo com mais de vinte anos de experiência em tecnologia, digitalização e restauro em audiovisual.

Além da promoção de núcleos criativos e o apoio à formação de novos profissionais do cinema, a Mapa Filmes participa e promove debates, seminários e mostras. Dentre eles, as Oficinas Culturais Cine DEGASE, atividade que se propõe a criar espaços de crítica e autocrítica sobre os direitos da cidadania, utilizando como recursos os facilitadores de diálogo como o cinema e a literatura.

Nome do produtor

(S/D)

História administrativa

Nome do produtor

(1938 -)

Biografia

Formado em Engenharia, Zelito Viana escolheu o cinema quando, em 1964, seu colega de turma, Leon Hirszman o convidou para trabalhar como produtor. Em junho de 1965 funda, com um grupo de jovens realizadores, entusiastas do movimento cinemanovista, Produções Cinematográficas Mapa Ltda, que depois atenderia pelo nome de Mapa Filmes do Brasil. Numa recente eleição da revista VEJA, dos dez maiores filmes brasileiros de todos os tempos, a MAPA é responsável por dois deles : Terra em Transe de Glauber Rocha e Cabra Marcado para Morrer de Eduardo Coutinho. Além destes filmes, a Mapa produziu mais de duas dezenas de outros em parceira com alguns dos maiores Diretores de Cinema no Brasil como Cacá Diegues, Walter Lima Jr. Paulo Cesar Saracenni, Roberto Pires, Julio Bressane, Carlos Alberto Prates Correia, Arnaldo Jabor, Paulo Alberto Monteiro de Barros, Betse de Paula, Joaquim Pedro de Andrade, David Neves, José Jofily e Daniel Filho.

Em 1970 Zelito passou para trás das câmeras e iniciou a carreira de diretor, com as comédias Minha Namorada (1970) com roteiro próprio, codireção de Armando Costa, e O Doce Esporte do Sexo (1971), que teve como protagonista seu irmão, Chico Anysio. O filme de época Os Condenados (1975), uma das suas mais importantes experiências como diretor, baseado no romance de Oswald de Andrade, conquistou o Prêmio de Melhor Diretor em Nova Dheli, na Índia, Salva de Prata em Portugal e foi selecionado para a Mostra New Films New Directors, no Festival de Nova York.

Zelito Viana foi homenageado em inúmeros Festivais pelo conjunto de sua obra e tornou-se referência no cinema brasileiro.

Entidade custodiadora

História arquivística

Acervo encaminhado originalmente, de maneira emergencial, pela Cinemateca do Museu de Arte Moderna. O contrato de comodato foi assinado com o Arquivo Nacional em 9 de agosto de 2002, prevendo-se renovação automática a cada cinco anos (cf. processo 00320.000313/2002-DV). Extrato do termo foi publicado no Diário Oficial da União de 28 de agosto de 2002 (Extrato de comodato n. 4/2002. DOU, n. 166, Seção 3).
A primeira entrada deu-se em 11 de setembro de 2002. Novos encaminhamentos ao Arquivo Nacional foram realizados em 10 de dezembro de 2002, 22 de janeiro de 2003, 7 de maio de 2003, 23 d ejulho de 2004, 25 de abril de 2005. Houve também uma retirada em 14 de junho de 2010.
Este acervo até 2018 (2 março) era recuperado no bojo do acervo registrado como Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (código de referência BR RJANRIO D0).

Procedência

Mapa Filmes Limitada - 2005 - comodato - 25
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Cinemateca - 2002 - comodato - 35
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Cinemateca - 2002 - comodato - 36
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Cinemateca - 2002 - comodato - 37
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Cinemateca - 2003 - comodato - 33
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Cinemateca - 2004 - comodato - 21

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Curtas e longas-metragens que contaram com a participação do cineasta Zelito Viana (José Viana de Oliveira Paula) como diretor e/ou produtor.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Identificado

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

  • português do Brasil

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Dimensões
Dimensões aguardam confirmação da área competente (2 março 2018).

Nota

Unidade Custodiadora
Coordenação de Documentos Audiovisuais e Cartográficos - CODAC

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

BR RJANRIO

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados