Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil). Faculdade Nacional de Direito

Área de identificação

Identificador

FND

Forma autorizada do nome

Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil). Faculdade Nacional de Direito

Forma(s) paralela(s) de nome

Outra(s) forma(s) do nome

Tipo

  • Universidade

Área de contato

Tipo

Endereço

Endereço

Rua Moncorvo Filho, 8 – Centro

Localidade

Rio de Janeiro

Região

Rio de Janeiro

Nome do país

Brasil

CEP

20211340

Telefone

Fax

Nota

Área de descrição

História

A tradicional Faculdade Nacional de Direito da UFRJ é fruto da fusão, em 1920, de duas Faculdades não estatais, a Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro e a Faculdade Livre de Direito. Antes de tal data, porém, existiu um longo caminho idealizado por grandes nomes, como Fernando Mendes de Almeida, que reunia em seu escritório colegas que sonhavam com a criação de uma Faculdade De Direito Livre, ou seja, particular. Proclamada a República, autorizado e reconhecido o ensino livre, Mendes de Almeida convocou os antigos partidários da idéia e, com novos adeptos, declarou fundada a Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro, base do que é hoje a Faculdade Nacional de Direito.
A criação da Faculdade Nacional de Direito na primeira metade do século XX por meio da fusão das Faculdades já mencionadas representou, na visão de Alberto Venâncio, uma quebra do monopólio do ensino jurídico, que até o final do século XIX concentrava-se no eixo Olinda - São Paulo, o que contribuiu para o fortalecimento do pluralismo do ensino jurídico no País.
A Faculdade Nacional de Direito integrou, juntamente com a Escola Politécnica e a Faculdade de Medicina da Praia Vermelha a nova universidade, denominada de "Universidade do Brasil" pelo Decreto-lei n. 8.393 de 1945. Os principais fatos deste período foram o surgimento da biblioteca da nova Faculdade, o lançamento da Revista "A Época", a criação do Grêmio Literário e da Revista Jurídica, sob a orientação e responsabilidade de uma comissão formada por Cândido de Oliveira Filho, Luiz Carpenter, Raul Pederneiras, Virgílio de Sá Pereira, Gilberto Amado e Afrânio Peixoto.
A partir dos anos 30 a Faculdade Nacional de Direito vivenciou memoráveis concursos para professores inesquecíveis, como o de Joaquim Pimenta para a cátedra de Sociologia. Também nesta época surgiu a famosa turma de 1937, que formou intelectuais como José Honório Rodrigues e Evaristo de Morais Filho, que se tornaria catedrático em Direito do Trabalho e em Sociologia na gloriosa Faculdade com sua tese sobre "Augusto Comte".
Somente nos anos 40 houve a transferência da Faculdade para a Rua Moncorvo Filho, período marcado pela forte mobilização estudantil, principalmente como resistência ao Estado Novo. Os célebres concursos continuaram a acontecer, trazendo jovens juristas à cátedra da Faculdade, como San Tiago Dantas e Hélio Tornaghi.
Os anos 50 consolidaram o prestígio da Faculdade Nacional de Direito. Em 1955, destacou-se a emblemática aula inaugural de San Tiago Dantas, intitulada "A educação jurídica e a crise brasileira". Na ocasião, San Tiago expôs novas diretrizes para o ensino jurídico e criticou a didática vigente, defendendo o case system em oposição ao text system. Já naquela época defendia a interdisciplinaridade para que o direito pudesse se adaptar aos tempos modernos.
Entre 1960 e 1970 ocorreu a transferência da capital para Brasília e iniciou-se o processo de federalização do ensino superior, do qual a UFRJ passou a fazer parte. Com o Golpe de 64 a Faculdade de Direito sofreu conseqüências. Por outro lado, o CACO – Centro Acadêmico Cândido de Oliveira - realizou ferrenha oposição ao regime militar.
Nos anos 70, ocorreu uma profunda crise, caracterizada pela realização de poucos concursos públicos e o progressivo esvaziamento do quadro docente. Os anos 80 também foram marcados por crises e impedimentos em concursos.
Nos anos 90, existiram algumas iniciativas, como a mudança curricular determinada pela Portaria Ministerial n. 1.886/94, que estabeleceu um currículo mínimo dos Cursos de Direito, a reformulação da estrutura departamental e a criação de um Centro de Extensão Comunitária compreendendo um Juizado Especial, um posto da Defensoria Pública e o Escritório Modelo, hoje Núcleo de Prática Jurídica. Criou-se, outrossim, um Centro de Pesquisa destinado a desenvolver projetos, fortalecer a pós-graduação e instalar um laboratório de informática.
Desde 2004, a partir de uma série de concursos públicos para professores e da intervenção e ocupação do prédio da Faculdade de Direito pelos alunos, sob a liderança do CACO, a comunidade acadêmica voltou seus olhos para esta Faculdade.

Contexto cultural e geográfico

Mandatos/Fontes de autoridade

Políticas de gestão e entrada de documentos

Prédios

Acervo

O patrimônio arquivístico da instituição com cerca de 125 anos (1891-2016) de registros históricos dos fundos documentais, originários da fusão duas escolas de direito, a Faculdade Livre de Sciencias Jurídicas e Sociaes e a Faculdade Livre de Direito, na então Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, hoje conhecida como Faculdade Nacional de Direito.

Instrumentos de pesquisa, guias e publicações

Área de acesso

Horário de funcionamento

A consulta ao acervo é feita por agendamento prévio.

Condição de acesso e uso

Acessibilidade

Área de serviços

Serviços de pesquisa

Serviços de reprodução

A reprodução dos documentos está condiciona a seu estado de conservação.

Áreas públicas

Área de controle

Identificador da descrição

Identificador da instituição

FND

Regras ou convenções utilizadas

Status

Revisado

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão e obsolescência

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Notas de manutenção

Pontos de acesso

Pontos de acesso

  • Cadastro Nacional de Entidades Custodiadoras de Arquivos (CODEARQ) (Thematic area)
  • Sudeste (Geographic subregion)

Contato principal

Rua Moncorvo Filho, 8 – Centro
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
BR 20211340