Coleção NP - Nilo Peçanha

Área de identificação

Código de referência

BR RJMRAHI NP

Título

Nilo Peçanha

Data(s)

  • 1871 a 1967 (Produção)

Nível de descrição

Coleção

Dimensão e suporte

Documento(s) Textual(ais): 12.69 metro(s) linear(es)
Documento(s) Tridimensional(ais):
insígnia(s): 7 item(s)
medalha(s): 29 item(s)
mobiliário: 17 item(s)
objeto(s) cerimonial (is): 7 item(s)
objeto(s) de castigo e penitência: 1 item(s)
objeto(s) de construção artística e escultura(s): 22 item(s)
objeto(s) de uso doméstico: 43 item(s)
objeto(s) e equipamento(s) de trabalho: 5 item(s)
objeto(s) numismático(s): 3 item(s)
objeto(s) pessoal(is): 54 item(s)
placa(s) de metal: 32 item(s)

Área de contextualização

Nome do produtor

(1867 - 1924)

Biografia

Nilo Procópio Peçanha nasceu na cidade de Campos dos Goitacazes (RJ) em 02 de outubro de 1867, filho de Sebastião de Sousa Peçanha e Joaquina Anália de Sá Freire. Formou-se bacharel pela Faculdade de Direito de Recife em 1887 e, retornando a Campos, dedicou-se à advocacia no período de 1888 a 1890. Foi um dos criadores e também presidente do Clube Republicano em Campos. Elegeu-se deputado à Assembléia Nacional Constituinte (1890-1891) e deputado federal pelo Partido Republicano Fluminense (1891-1903), tornando-se senador em 1903. Renunciou a esse mandato para ser presidente do estado do Rio de Janeiro (1903-1906) e, a seguir, vice-presidente da República (1906-1909). Em decorrência da morte do titular, Afonso Pena, assumiu a Presidência da República de 1909 a 1910.
Retornou ao Senado pelo Estado do Rio de Janeiro em mais dois mandatos (1912-1914 e 1918-1920). Exerceu ainda a Presidência do Estado do Rio de Janeiro (1914-1917) e o cargo de ministro das Relações Exteriores (1917). Em 1921, foi candidato à presidência da República pelo movimento Reação Republicana.
Foi casado com Anita Belisário Peçanha. Faleceu em março de 1924, no Rio de Janeiro.

Nome do produtor

(1876 - 1960)

Biografia

Anna, cujo apelido era Anita, nasceu em 21 de março de 1876 em uma família aristocrata brasileira, em Campos dos Goytacazes.
Seu pai, o advogado João Belizário Soares de Sousa, era primo do visconde do Uruguai e filho de Bernardo Belizário Soares de Sousa, conselheiro do Império. Sua mãe, D. Anna Rachel Netto Ribeiro de Castro, era filha de José Ribeiro de Castro, Visconde de Santa Rita, sendo, portanto, neta paterna do primeiro Barão de Santa Rita e materna do Barão e da Viscondessa de Muriaé.

No dia 6 de dezembro de 1895, na Igreja de São João Batista da Lagoa, no Rio de Janeiro, Anita casou-se com Nilo Procópio Peçanha, pelas mãos do Padre Pelinca, antigo vigário da paróquia de São Salvador de Campos dos Goytacazes. A lua de mel foi no Hotel White, no Alto da Boa Vista. O casamento foi um escândalo social, pois ela deixou a casa paterna para viver com uma tia e, assim, poder se casar com Nilo Peçanha, um sujeito pobre e mulato, embora político promissor. Anita e Nilo tiveram quatro filhos: Íris, Nilo, Zulma e Mário Nilo, mas todos faleceram após o nascimento.

Numa ocasião em que Anita esteve hospedada na Fazenda Bertioga, região serrana de Macaé, propriedade de sua prima Julia Nogueira da Gama e Gavinho, ficou encantada com o talento do cozinheiro campista Luís Cipriano Gomes, aliciando o serviçal de sua parenta, levando-o para o Rio de Janeiro. O Cipriano serviu ao casal Peçanha no Palácio do Catete, sendo avô materno de Angenor de Oliveira, o célebre Cartola.

Anita tornou-se primeira-dama do Brasil com a posse de Nilo Peçanha como presidente da República em 14 de junho de 1909, que na qualidade de vice-presidente, assumiu em virtude do falecimento do presidente Affonso Penna ocasionado por uma pneumonia.

Ela foi uma mulher atuante, participativa e atenta as obrigações em que o mundo social e político lhe propuseram, tendo sido uma companheira incondicional, além de ter garantido o sucesso da carreira política de Nilo Peçanha.

Enquanto primeira-dama, Anita e seu marido passaram um único verão no Palácio Rio Negro, durante cinquenta dias entre dezembro de 1909 e janeiro de 1910. O pouco tempo que passaram na residência oficial de verão do Presidente do Brasil, deu-se por conta de uma enfermidade que acometeu a primeira-dama.

Anita sobreviveu trinta e seis anos ao seu finado marido, vindo a falecer em 9 de abril de 1960, aos oitenta e quatro anos.

História arquivística

O Arquivo Nilo Peçanha foi composto, predominantemente, das doações feitas por Anita Belisário Peçanha, viúva do titular, em 1948, e por Armênia Peçanha, irmã do titular, em 1960, ao Museu Histórico Nacional. A documentação foi transferida para o Museu da República nos anos de 1977 e 1983. Formam o acervo, também, documentos avulsos doados diretamente ao Museu da República, em 1967, por Fernando Bruno Pinto, Mário Barreto Franca e Edmundo B. Pinto e uma doação, sem data, feita por Moacyr Colombo. Existem ainda, registros de doações realizadas ao Museu da República nos anos de 1966, 1973 e 1978, sem indicações relativas à sua procedência, bem como registros de doações sem quaisquer informações
sobre procedência e data. Embora o acervo seja formado, predominantemente, por documentos produzidos e acumulados pelo titular, também constam documentos sobre Peçanha colecionados por terceiros.

Procedência

Doação, Anita Belisário Peçanha, 1948 a 1960
Doação, Fernando B. Pinto, 1967
Doação, Mário B. Franca, 1967
Doação, Edimundo B. Pinto, 1967

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

O acervo compreende registros da vida privada e pública do titular, que ao longo do exercício de suas funções acumulou uma vasta documentação. Reúne cerca de 20.000 correspondências, divididas em dossiês e organizadas cronologicamente, recebidas pelo titular e terceiros (em menor volume). Destacam-se como principais assuntos entre as correspondências recebidas pelo titular: pedidos de favorecimentos diversos, valendo-se da sua influência política; cumprimentos e congratulações por sua atuação frente a cargos executivos, legislativos e diplomáticos; informações sobre questões políticas, municipais, estaduais e nacionais, jurídicas financeiras e pessoais.
Entre as questões políticas destacam-se aquelas referentes à administração pública; alianças e articulações; pleitos eleitorais; sucessões presidenciais; criação do Ministério da Agricultura; importação e exportação; economia cafeeira; Reação Republicana. Sobre as relações internacionais há documentos relativos às relações diplomáticas estabelecidas pelo Estado brasileiro, com ênfase na participação do país na Guerra Mundial (1914-1918). Entre os assuntos da política fluminense são mais freqüentes aqueles referentes ao desenvolvimento industrial; às atividades político-partidárias e aos processos eleitorais. Entre os principais assuntos na correspondência para terceiros figuram os processos eleitorais e pedidos de favorecimentos diversos.
A Coleção conta ainda com desenhos técnicos de motores de automóveis e plantas de terrenos, recortes de jornais e revistas sobre política e assuntos referentes à gestão pública do titular. Reúne produções de Nilo Peçanha e de outros personagens, entrevistas, discursos, manifestos, debates, conferências e livro reunindo mensagem à Assembléia Legislativa do de quando Peçanha era presidente do Estado do Rio de Janeiro.
O acervo contém 504 fotografias, principalmente de Nilo Peçanha em inaugurações de obras, visitas, viagens e outros eventos públicos, com destaque para as fotos da campanha Reação Republicana. Há também fotos de Nilo Peçanha com sua esposa, Anita Peçanha, em momentos de lazer e homenagens pós-morte, incluindo registros do enterro.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Série Correspondência
Série Documentos Complementares
Subsérie Homenagem
Subsérie Correspondência
Série Documentos Pessoais
Série Documentos visuais, sonoros e audiovisuais
Subsérie Fotografias
Subsérie Plantas e desenhos técnicos
Subsérie Diversos
Série Produção intelectual
Série Questões forenses
Série Reação Republicana
Série Recortes
Série Temas estaduais
Série Temas municipais
Série Temas nacionais
Série Documentos não-seriados

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Reprodução permitida mediante autorização por escrito da direção do Museu da República.

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Museu da República. Banco de dados da República (BDR). Rio de Janeiro. Não impressos.

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Outros detentores :
Museu Histórico e Artístico do estado do Rio de Janeiro, Niterói/RJ, BR/MHAERJ/MHAERJ/NP/

Descrições relacionadas

Nota de publicação

PINTO, Suarama Conde Sá. A correspondência e a dinâmica política na primeira república. Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1998

Área de notas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

RJMRAHI

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

Objeto digital (Mestre) área de direitos

Objeto digital (Referência) área de direitos

Objeto digital (Miniatura) área de direitos

Zona da incorporação

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados