Fundo/Coleção F3 - Política Operária

Área de identificação

Código de referência

BR RJANRIO F3

Título

Política Operária

Data(s)

  • 1960 - 2009 (Produção)

Nível de descrição

Fundo/Coleção

Dimensão e suporte

Bibliográfico(s) -sem especificação - 11 m
Textual(is) -sem especificação - 0,36 m

Área de contextualização

Nome do produtor

(1961 - 1985)

História administrativa

Organização que se autodeclarava revolucionária marxista de orientação radical, fundada em janeiro de 1961, entre os dias 16 e 19, em Jundiaí, interior do estado de São Paulo, quando assumiu o nome Política Operária, conhecida pela sigla POLOP. Defendia um programa socialista para o Brasil, por meio da organização dos trabalhadores, inspirado em ideólogos alemães como Rosa Luxemburgo, Franz Mehring e August Thalheimer.
No Brasil, teve como um de seus mentores Eric Czackes Sachs (1922, Viena - 1986, Rio de Janeiro), que chegou ao país como imigrante em 1939, preso no Rio de Janeiro em 1969 pelo DOPS, que conseguiu sair do país em 1970 e retornou em 1980, integrando-se ao Partido dos Trabalhadores. Eric Sachs foi autor de vários textos de caráter político-doutrinário. Assinava-se também Eurico Mendes e Ernesto Martins.
Entre 1962 e 1964, a POLOP foi responsável pelo jornal Política Operária, então vendido nas bancas de jornal. Na década de 1970, lançou a revista Marxismo Militante.
Na década de 1960, influenciou grupos políticos e o movimento estudantil e operário, com maior atuação no ABC paulista. Reprimida na década seguinte por órgãos da polícia política, como DOPS, Polícia Federal e OBAN, perdeu quadros e sofreu divisão interna. Tendências e dissidências da POLOP teriam dado origem, a partir de 1968, ao Partido Operário Comunista (POC), à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e ao Comando de Libertação Nacional (COLINA ou Comandos).
Em 1983, aderiu ao Partido dos Trabalhadores, de início mantendo-se como uma organização autônoma até 1985 quando se deu por extinta.
Dentre ex-militantes de maior notoriedade, citam-se Theotônio dos Santos, Ruy Mauro Marini, Moniz Bandeira, Vânia Bambirra, Michael Lowy, Eder Sader, Emir Sader, Nilmário Miranda, Carlos Tiburcio, Orlando Miranda, Victor Meyer, Otavino Alves da Silva.

Entidade custodiadora

História arquivística

O acervo produzido pela POLOP encontrava-se em 2009 distribuído por diversas localidades: em Salvador, Bahia, no Centro de Estudos Victor Meyer; em Feira de Santana, Bahia, no Laboratório de História e Memória da Esquerda e das Lutas Sociais (LABELU) da Universidade Estadual de Feira de Santana, doado àquela instituição em 29 de maio de 2009 (cerca de 1,50 metros); em Belo Horizonte, Minas Gerais; em Pernambuco, no Núcleo de Documentação sobre Movimentos Sociais (NUDOC) da Universidade Federal de Pernambuco; em São Paulo, no Centro de Documentação e Memória da Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita Filho (CEDEM-UNESP); em Campinas, na UNICAMP, no Arquivo Edgard Leuenroth (AEL); no Rio de Janeiro, em casa de particulares, sob a custódia do Arquivo de Memória Operária do Rio de Janeiro (AMORJ), no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro e no Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro.
Em São Paulo, no CEDEM, sob o título POLOP, estaria o acervo mais representativo da organização, concentrando o arquivo do Setor de Organização Nacional (SON), sob a forma de microfilme, cujos originais, após fotografados entre 1970 e 1978, foram destruídos. Os filmes foram doados em março de 2005. Em Feira de Santana, a maior concentração do acervo.
Em 2014, a parcela textual do fundo foi selecionado pela Comissão Nacional da Verdade como de interesse para os estudos sobre violações de direitos humanos no Brasil. Os procedimentos de digitalização dos documentos e \"ocerização\" foram então integrados ao Projeto de Reformatação de Acervos do Arquivo Nacional de interesse para a referida Comissão. As imagens digitais foram disponibilizadas ao público a partir de agosto de 2014.
O termo de doação ao Arquivo Nacional foi assinado em 1 de abril de 2010, cujo extrato foi publicado no DOU, Seção 3, ano 147, n. 68, de 12 de abril de 2010, tendo sido acertada a entrada paulatina dos documentos [cf. processo 00320. 000039/2009-51 (entrada) e processo 00320.000382/2009-03 (assistência técnica)].
A doação contou com uma lista, conferida, dos documentos doados.

Procedência

Centro de Estudos Victor Meyer - 2010 - doação - 5

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Declarações e resoluções de congressos, conferências, artigos, jornais, revistas, boletins internos, tribunas de debate, depoimentos e a biblioteca Erico Sachs-Alice Werner.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Organizado totalmente

Organização
Em 2014, a documentação foi preparada para ser digitalizada e ocerizada e recebeu uma nova notação de acordo com a Descrição Multinível Integrada.

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Com restrição - Acessível por meio eletrônico

Observações
Documentos textuais digitalizados (ago 2014).

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

  • português do Brasil

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Coordenação Regional no Distrito Federal. Base de dados (DSpace). s/d. (ativa em abr. 2011). Nota: Acesso presencial no Rio de Janeiro e em Brasília. - Não impressos
ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Sala de leitura virtual (em Windows 7). Org. por equipes da Coordenação de Tecnologia da Informação, Coordenação-Geral de Preservação e Processamento Técnico do Acervo e Coordenação Regional no Distrito Federal. Rio de Janeiro, out.-nov. 2013-2016. Nota: Acesso presencial no Rio de Janeiro e Brasília até 2 agosto de 2017. - Não impressos

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Outros Detentores
Comissão de Anistia (Brasil)
Ministério Público Federal (São Paulo)

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Dimensões
O Projeto de Reformatação resultou em 3500 páginas.

Nota

Outras
Cópias encaminhadas, a pedido, à Comissão de Anistia e ao Ministério Público em São Paulo, entre outubro e dezembro de 2018 (ver Bibliografia).

Nota

Variações de título
Organização Revolucionária Marxista Política Operária
POLOP

Nota

Unidade Custodiadora
Coordenação de Documentos Escritos - CODES

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

BR RJANRIO

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

ARQUIVO NACIONAL (Brasil); COMISSÃO DE ANISTIA. Acordo de cooperação técnica. Rio de Janeiro, 5 out. 2018. Diário Oficial da União, n. 197, Seção 3, p. 111, 11 out. 2018. -Não definido
ARQUIVO NACIONAL (Brasil); MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (São Paulo). Correspondência. 2º sem. 2018. -Não impressos

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados