Fundo/Coleção ACB - Ação Católica Brasileira

Área de identificação

Código de referência

BR SPCEDIC ACB

Título

Ação Católica Brasileira

Data(s)

  • 1922 - 1968 (Produção)

Nível de descrição

Fundo/Coleção

Dimensão e suporte

Textual(is) -sem especificação - 5 m

Área de contextualização

Nome do produtor

(1935 -)

História administrativa

A Ação Católica Brasileira (ACB) é oficialmente instituída com os Mandamentos dos Bispos do Brasil, de 09 de junho de 1935, coincidindo com a festa de Pentecostes daquele ano.

Os Estatutos foram promulgados com esses Mandamentos - inspirados e quase calcados nos Estatutos da Ação Católica Italiana - e suas organizações fundamentais eram as seguintes: a) Homens da Ação Católica (HAC), para maiores de 30 anos e os casados de qualquer idade; b) Liga Feminina de Ação Católica (LFAC), para as maiores de 30 anos e as casadas de qualquer idade; c) Juventude Católica Brasileira (JCB), para moços de 14 a 30 anos; d) Juventude Feminina Católica (JFC), para moças de 14 a 30 anos. Os Estatutos apontam para a existência de seções importantíssimas da Juventude Católica (JC): Juventude Estudantil Católica (JEC), para a mocidade do curso secundário; Juventude Universitária Católica (JUC), só para universitários; c) Juventude Operária Católica (JOC), para a mocidade operária. A JUC e a JOC passarão a funcionar independentemente da Ação Católica Brasileira em determinadas conjunturas.
A ACB tem os significados de apostolado católico geral e apostolado social. O Papa Pio XI vai procurar concretizá-la oficialmente, em 1935, de modo especial na Itália e no Brasil, como uma organização distinta de todas as outras organizações católicas, contando com outras auxiliares, e comportando uma estrutura própria e metodologia correspondente, a qual visava à colaboração ou participação do leigo no apostolado da hierarquia da Igreja.
Para além desse reconhecimento oficial, em 1935, a Ação Católica nasceu e se firmou na Itália, desde a década de 20, com seus quatro ramos fundamentais, segundo a idade e o sexo, insistindo na necessidade da formação como preparação para a ação, com seus círculos e semanas de estudos.

Nascia também na Bélgica, nessa mesma década, a Juventude Operária Católica, que passa a por em relevo o apostolado num meio específico (o meio operário). Insiste, igualmente, na formação na ação e pela ação, seguindo o método VER, JULGAR e AGIR, concebido pelo sacerdote belga Joseph Cardin.
No Brasil, também antes da instituição oficial do modelo italiano, em 1935, surgem, em diversas regiões do país, núcleos de militantes cristãos. Oficializada a Ação Católica Brasileira, os núcleos de militantes cristãos foram se desenvolvendo de forma desigual. A Ação Católica por meio específico (operária, estudantil, universitária, agrária e independente)-chamada também de Ação Católica Especializada -, no setor de jovens, foi se firmando cada vez mais. Tanto assim que, em 1948, a Comissão Episcopal de Ação Católica aprovava oficialmente a JOC como ramo fundamental da ACB e como organismo de âmbito nacional, com um assistente eclesiástico e equipe próprios, e com sede no Rio de Janeiro.
Em 1950, logo em seguida à IV Semana Nacional de Ação Católica, celebrada em julho desse ano, a Comissão Episcopal de Ação Católica, estabelecia novos estatutos para a ACB, dispondo da seguinte maneira o quadro geral: Juventude Masculina Católica, constituindo-se nos movimentos JAC, JEC, JIC, JOC, JUC; Juventude Feminina Católica, formando a JACF, JECF, JICF, JOCF, JUCF; Homens de Ação Católica, formado pelas quatros ligas masculinas LAC, LIC, LOC, LUC; Senhoras de Ação Católica, formada pela LACF, LICF, LOCF, LUCF.
Aos poucos, movimentos masculinos e femininos fundem-se numa só prática: JUC, JAC, JEC, JIC e JOC para moços e moças. Dos movimentos de jovens, pouco depois de 1966, a JUC e a JEC se desligam da hierarquia e, num clima de repressão política, acabam desaparecendo. A JAC também desapareceu. A JOC, com o aumento da repressão, teve toda a cúpula nacional presa e torturada e quase desapareceu; resistiu, mas entrou, praticamente, na clandestinidade, da qual tornou a emergir posteriormente.

Os movimentos de adultos deixaram inúmeros herdeiros. A LICF influenciou a Renovação Cristã. Na década de 1960, começou a surgir, tanto no Nordeste como no Centro Sul, a Ação Católica Operária - ACO, que conseguiu resistir à perseguição política.

História arquivística

Os documentos que formam o Fundo Ação Católica Brasileira foram acumulados como decorrência da atuação da ACB e constituem parte significativa de seu arquivo. Foram conservados, após o fim do movimento, por militantes, assistentes e entidades da ou ligadas à Igreja. Os originais pertencem, em parte, ao CEDIC e, em parte, ao Instituto Nacional de Pastoral - INP da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB.

Procedência

Dale, Romeu - doação – 27/10/1992; 4/02/1993; 17/12/1993

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Agendas de reuniões do Conselho Nacional, atas de reuniões do Conselho, convocações e pautas de reuniões, programas de atividades, relatórios de conclusões do Conselho, relatórios de reuniões, roteiros para preparação do Conselho, textos de princípios do Movimento de ACB, textos de reflexão, dossiê Consulta do Secretário Nacional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), processo de separação de setores de Ação Católica Independente, anteprojetos de estatutos, autorizações, balancetes financeiros, boletins diários de caixa, códigos de ética da imprensa estudantil, comunicados sobre o recebimento de assinaturas, comunicados de lançamentos em conta corrente, correspondência, currículos, declarações, duplicatas, estatutos de movimentos católicos, estatutos de organizações de trabalhadores, folhas de pagamento às equipes nacionais e funcionários, guias da receita federal, listas de adiantamento salarial, listas de assuntos discorridos em correspondência, listas de contribuições financeiras, listas de donativos recebidos, listas de nomes e endereços, notas sobre militantes e assistentes, orçamentos financeiros de movimentos católicos, organogramas de movimentos e instituições, pedidos de reestruturação da ACB, planos de aplicação de verbas, processos de criação do curso de formação sindical, projetos de estatutos, quadros de assistentes de AC, regulamentos de movimentos católicos, relações de candidatos à vaga no Comitê Diretor, relações de patrimônio da ACB, artigos jornalísticos, biografias, cânticos, cartas pastorais, cartilhas de alfabetização, esquemas para publicações, folhetos cerimoniais, folhetos de formação, de oração, de revisão de vida, litúrgicos, guias do estagiário, históricos de movimentos católicos, informes, manifestos, publicações periódicas, santinhos, temários de discussão, textos de análise e revisão, de reflexão, formação, dossiês de eventos, comunicações à imprensa sobre eventos, informes para campanhas e eventos, pautas e programas de atividades em eventos, planos e propostas de ações, planos de inquérito, relatórios de atividades, de estudos de casos, textos-base para ações, textos de revisão de atividades e sugestões.

Avaliação, seleção e temporalidade

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Em fase de organização

Organização
O arranjo do fundo apresenta dois grupos estruturais (Conselho Nacional e Secretariado Nacional), estabelecidos em seu primeiro nível de divisão interna; e cinco subgrupos funcionais distintos (Administração, Ampliação de Quadros e Formação de Militantes, Elaboração e Divulgação de Publicações, Participação em e Promoção de Eventos e Planejamento e Atuação) estabelecidos no segundo nível de divisão. Abaixo desses últimos, temos as séries por espécie ou tipologia e os dossiês. Dentro de cada subgrupo, as séries e os dossiês foram ordenados alfabeticamente.

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Com restrição - Em tratamento técnico

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

  • português do Brasil

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Guia do Centro de Documentação e Informação Científica “Prof. Casemiro dos Reis Filho” – CEDIC – PUC-SP. São Paulo: EDUC, 1995. 160p. (Coleção Memória, Documentação e Pesquisa, 3) - Não definido

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Na Instituição
BR SPCEDIC CACO - Ação Operária Católica
BR SPCEDIC FJOCB - Juventude Operária Católica do Brasil
BR SPCEDIC FJICB - Juventude Independente Católica do Brasil
BR SPCEDIC JUC - Juventude Universitária Católica do Brasil
BR SPCEDIC JEC - Juventude Estudantil Católica do Brasil
BR SPCEDIC FJACB - Juventude Agrária Católica do Brasil

Descrições relacionadas

Nota de publicação

DALE, Romeu, frei (Org.) . A Ação Católica Brasileira. São Paulo: Edições Loyola/CEPEHIB,1985. (Coleção Cadernos de História da Igreja no Brasil, 5) - Não definido

Área de notas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Pontos de acesso - local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso - gênero

Área de controle da descrição

Identificador da descrição

Identificador da entidade custodiadora

BR SPCEDIC

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Completo

Datas de criação, revisão, eliminação

2016-04-19

Idioma(s)

  • português do Brasil

Sistema(s) de escrita(s)

Bibliografia e outras fontes utilizadas

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados